Blog | Guepardo Aventura ao Extremo

Blog

Voltar
Home > Blog

06

03

Não esqueça de entrar em contato com o Camping para confirmar valores e a validação do desconto.

CONHEÇA O CLUBE GUEPARDO – ACESSE > https://goo.gl/9iJGGr

Comente

30

01

Na última quinta-feira (27/01/2017), tivemos o prazer de receber o casal Daniel e Eveline, mineiros de Uberlândia (MG) apoiados pela Guepardo, e que iniciaram uma grande aventura chamada “Pela Vida Afora”. O objetivo é fazer uma viagem de 7 mil quilômetros pela América do Sul durante um ano, percorrendo seis países de bicicleta, acompanhados dos cães da raça poodle, o Ozzy e a Maya. Os pets estão em um bike trailer fixo na traseira da bicicleta de Daniel.

O ponto de partida do casal foi a cidade de Blumenau-SC e seguem em direção ao sul pelo litoral de Santa Catarina e Rio Grande do Sul até chegarem ao Chuí e cruzar a fronteira com o Uruguai. Pretensão é contornar o litoral leste do Uruguai, até chegar à cidade de Punta del Este.
A partir daí, o casal parte rumo a oeste, seguindo pelo litoral sul do Uruguai, passando pela capital Montevidéu. Em seguida, cruzam a fronteira com a Argentina de balsa, chegando a Buenos Aires. Logo após cruzarem a Argentina de leste a oeste, chegam até a cidade de Mendoza, aos pés das cordilheiras dos Andes.
Cruzando as cordilheiras, estará a cidade de Santiago, a capital chilena. Seguindo até o litoral, voltado para o Oceano Pacífico, na cidade de Valparaíso. A partir daí, começa a viagem rumo ao norte, seguindo até chegar ao deserto do Atacama, até San Pedro do Atacama e fazendo a travessia para a Bolívia, passando por Uyuni até chegar à capital La Paz.
Seguindo até o Peru, passam pelo Lago Titicaca, até chegar a Cusco. Esse não é um roteiro definitivo, pois o casal está aberto a mudanças devido ao clima, e aos novos conhecimentos ou encontros inesperados pela vida afora.

Dá uma olhada no mapa aí embaixo:

Se você está curioso para saber como levar os pets nessa grande aventura, confira o vídeo abaixo:

Quer acompanhar a cicloviagem de pertinho? Curta a Fanpage @pelavidaafora

Comente

16

09

O governo do Canadá anunciou que para a comemoração dos 150 da confederação canadense disponibilizará a maior trilha do mundo de 24.000 km.

A trilha que irá circular o país não terá nenhuma parte com acesso a água, ou propriedade, interrompida. A maior trilha do mundo, batizada de “Trans Canada Trail” espera ser reconhecida como o maior desafio de todo e qualquer praticante de trekking do mundo. Todas a redes de conexões do país disponível para os trekkeiros é, nas palavras do instituto governamental, “um presente dos Canadenses para os Canadenses”. O Canadá é o segundo maior país do mundo em área total (superado apenas pela Rússia) e a sua fronteira com os Estados Unidos (contanto a parte sul e noroeste) é a mais longa do planeta.

Assista o vídeo completo:

Mais informações aqui!

Comente

28

06

Aventureiro associado ao Clube Guepardo tem sempre mais vantagens!
Estamos com uma parceria especial com a Trip Service! Desconto de 10% na emissão de passagens aéreas para qualquer destino no Brasil!

Basta ligar na agência no telefone indicado e mencionar o número de sua carteirinha Clube Guepardo.

O desconto é válido para o ano todo mediante disponibilidade.

Para fazer parte do Clube cadastre-se em nosso site e siga as orientações!

AVENTURE-SE!
GUEPARDO
www.guepardo.net
Fale conosco: 0800 646 5687

Comente

02

12

 

 

A chegada das temperaturas altas do verão é um convite para um mergulho. No caso de Alagoas, o repertório é vasto, com a capital Maceió e a Praia do Francês liderando qualquer ranking de praias que merecem ser visitadas. Mas há um point menos visitado, que faz por merecer o apelido de "Caribe brasileiro": Maragogi.

 

 

Aqui, o destaque especial é para as galés, piscinas naturais que se formam no litoral desta praia. Esses reservatórios de água esverdeada com fundo esbranquiçado e repleto de corais ficam a cerca de seis quilômetros da costa. Para chegar até eles, basta um passeio de 20 minutos de barco ou jangada.

No primeiro mergulho na galé, o turista vai se deparar com cardumes dos chamados peixes-sargento, espécies amarelas com listras pretas que estão acostumadas a comer ração na mão dos visitantes. As operadoras de turismo oferecem mergulhos em volta dos corais até para quem não sabe nadar, em passeios acompanhados por instrutores.

 

Sombra e água calma


Para aproveitar o sol, a dica são as praias de Barra Grande, Burgalhau, Peroba e São Bento. O litoral é cheio de coqueirais, que oferecem boa sombra. As ondas, por sua vez, são fracas. Ao sul de Maragogi, entre a Vila de Japaratinga e o Pontal, ficam praias pouco habitadas, com falésias de até 20 metros de altura.

Quando quiser se afastar um pouco da praia, vale a pena visitar as ilhas de pescadores e provar as delícias preparadas com frutos do mar. No engenho Marrecas de São Gonçalo, mais para o interior da cidade, o visitante também pode comer peixes. O ponto alto do cardápio, porém, são os tradicionais bolinhos de goma.

 

Preservação


A região é conhecida por sua biodiversidade. Em um passeio de barco depois do mergulho, o turista pode encontrar mais de 15 espécies de peixe e dez tipos de corais. Não é permitido tocar nos corais, e os guias costumam orientar os turistas a não comprar pedaços deles na praia. A extração predatória é um dos problemas enfrentados pelo município.

Fora d’água, também é possível praticar ecoturismo em Maragogi. Algumas fazendas possuem áreas de preservação de Mata Atlântica e permitem que o turista faça trilhas no meio das árvores – a pé ou de bicicleta. No meio do caminho, aproveite para encontrar cachoeiras e tomar banhos refrescantes em bicas de água no meio das pedras.

 

Programe-se

Um serviço muito procurado pelos turistas é o aluguel de jipes para passear nas pequenas dunas que o movimento das areias formam. Maragogi fica a cerca de 125 quilômetros de Maceió, em Alagoas, e Recife, em Pernambuco. A média anual de temperatura fica em torno de 27 graus e, em todas as estações, o clima costuma ser úmido.

 

Texto: Agência Andrés Bruzzone de Comunicação
Fonte e Imagem: Site Terra

 

AVENTURE-SE!

Por:
Assessoria de Comunicação Guepardo
Fernanda Wieser – Assistente de Marketing
Fale Conosco: 0800.646.5687

1 Comente

09

07

Seis estrelas, seis continentes, sete mares: a companhia Regent Seven Seas Cruises gaba-se das seis estrelas que a definem como uma empresa de super luxo. Seus navios fazem roteiros que cobrem mais de 300 portos em seis continentes. Isso mesmo, seis: também na Antártida.

 

 

Para garantir o altíssimo padrão, os navios são todos de médio porte, todas as suítes possuem varanda e os restaurantes são cuidados por chefs de primeira linha. Disputam-se o posto da melhor cozinha a bordo o Signatures, do navio Seven Seas Voyager, atendido por chefs do Cordon Bleu parisiense; e o Compass Rose, a bordo do Seven Seas Navigator. Muitos dos passageiros preferem contratar o sistema all-inclusive: paga-se de uma vez por todos os serviços, inclusive as refeições nestes restaurantes.

 

O Seven Seas Navigator é o maior da frota. Elevadores panorâmicos vão até os três deques de áreas arejadas, com lojas, além das dependências de clubes e restaurantes, e a decoração lembra um clássico navio a vapor dos anos 30.

 

Já o Seven Seas Mariner é o primeiro navio do mundo todo avarandado. Todas as cabines são suítes, e portas de vidro abrem para uma varanda particular: ótimo para sentar-se numa cadeira da sala e saborear um drinque.

 

O mais informal, mas não por isso menos luxuoso, é o Paul Gauguin, que faz viagens de sete noites a partir do Taiti. É uma combinação do aspecto relaxante da Polinésia adicionado ao luxo e conforto da decoração francesa.

 

No Paul Gauguin há uma plataforma retrátil especialmente projetada para esportes aquáticos, de onde os passageiros podem se lançar na água em caiaques, experimentar o esqui aquático ou fazer parte de uma expedição de mergulho.

 

Os roteiros são os mais diversos: pode-se ir de Istambul a Dubai, Cidade do Cabo ao Rio de Janeiro, de Auckland a São Francisco, de Southampton para Copenhague, ou mesmo ao Alasca, mas somente no período entre junho e julho. Os preços variam de US$ 999, para alguns pacotes promocionais, ou a bagatela de US$ 25 mil para uma viagem de 35 dias.

 

Texto: Agência Andrés Buzzone Comunicação
Fonte e Imagem: Terra

 

AVENTURE-SE!

 

Por:
Assessoria de Comunicação Guepardo
Fernanda Wieser – Assistente de Marketing
Fale Conosco: 0800.646.5687

1 Comente

28

10

O número de turistas que visitarão o Parque Nacional do Iguaçu, berço das famosas Cataratas, deve aumentar no feriado do Dia dos Finados, no próximo fim de semana. Isto porque a vazão das quedas, que normalmente é de um milhão e meio de metros cúbicos por segundo, está com o volume médio de seis milhões de metros cúbicos. A explicação para o aumento são as fortes chuvas que estão ocorrendo na região central do estado do Paraná.

 

Segundo o chefe do Parque Nacional do Iguaçu, Jorge Luiz Pegoraro, a expectativa é que o local receba 20 mil turistas entre os dias 31 de outubro e 2 de novembro. “Esperamos uma boa visitação, talvez algo próximo ao registrado no último feriado, véspera do Dia das Crianças, quando batemos o recorde de visitas em um dia”, disse. Somente no domingo das crianças, as Cataratas receberam 12.388 turistas.

 

Além do passeio durante o dia, os visitantes poderão curtir também o tour noturno no Parque, que acontecerá no domingo (1). Durante esse período, os turistas terão a oportunidade de ver as águas das Cataratas iluminadas pelo brilho da lua cheia.

 

Melhor atendimento – O aumento no número de visitantes fez com que a concessionária Cataratas do Iguaçu S/A, em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) planejassem novas formas de atendimento para melhorar a qualidade no serviço oferecido. Para tanto, a operação prevê reforço de funcionários, ônibus extras para o transporte dos turistas e guichês adicionais para a venda de ingressos.

 

Horários de funcionamento:
Bilheterias: 9h às 17h
Transporte: 9h às 18h30
Estacionamento: 7h30 às 19h
Restaurante Porto Canoas: 12h às 16h

 

Texto e Imagem: Webventure

AVENTURE-SE!

Por:
Assessoria de Comunicação Guepardo
Fernanda Wieser – Estagiária de Relações Públicas
Fale Conosco: 0800.646.5687

1 Comente

23

10

Esticar o dinheiro das férias, ou alcançar destinos normalmente mais distantes do orçamento, é possível para quem se planejar. Existem épocas que museus ficam vazios, as praias desertas e, principalmente, os preços compatíveis com o seu bolso. Por exemplo, quem quiser ir à Europa, deve reservar um tempo entre outubro e março. Durante essa época, os hotéis estão mais baratos (tirando semana de Natal e Ano Novo) e, de quebra, as principais cidades ficam bem mais vazias.
 

Claro, é preciso ficar atento para o clima: principalmente os meses de dezembro e janeiro podem ser muito frios e com dias curtos. Em Londres, por exemplo, além das baixas temperaturas, chove bastante e o sol se põe antes das quatro horas e, por isso, o melhor é conhecer a cidade entre outubro e novembro, quando as temperaturas estão um pouco mais elevadas e ainda é possível encontrar bons preços.
 

Paris é outro caso de uma cidade onde a inteligência e o bom planejamento fazem diferença no bolso. Durante os meses de dezembro e janeiro, sempre esquecendo a última semana do ano, é possível subir a Torre Eiffel ou visitar o Louvre sem se preocupar com as numerosas filas. Entre os destaques dessa época do ano estão os desfiles de moda que tomam conta da cidade. Além disso, a "Cidade Luz" ainda recebe uma belíssima iluminação de Natal que faz jus ao codinome dado à capital francesa.
 

Alguns alimentos de luxo, que normalmente atingem preços proibitivos, como o foie gras, ficam bem em conta nesse período do ano. Procurando com atenção, é possível jantar num dos muitos pacotes oferecidos por restaurantes e bistrôs, o vinho da casa (peça un pichet, uma jarra) costuma ser bem melhor do que a maioria dos tintos de preço médio nas prateleiras dos restaurantes brasileiros. Compre um guia de atrações (o Pariscope, por exemplo) e atente para as propostas gratuitas: concertos, mostras de arte e peças de teatro costumam ser oferecidas.

Muitos países da ex-União Soviética ainda estão passando por um processo de incorporação à União Europeia e por isso oferecem bons preços comparados com o resto da Europa. Praga, na República Tcheca, e Budapeste, na Hungria, são dois bons exemplos: vale a pena aproveitar antes que fiquem caras. E vale lembrar que o preço da sua viagem não está apenas condicionada pela época: é possível economizar com passagens, comida e hospedagem.
 

Para circular pela Europa, fique atento a sites das companhias aéreas EasyJet e Sky Europe, que sempre oferecem excelentes promoções. Para achar um lugar onde dormir com sossego talvez seja negócio reservar um quarto individual em albergues, que têm preços mais amenos. Mas se ainda desejar a tranquilidade de um hotel, procure a melhor opção para o seu bolso em sites especializados.
 

Como na Europa, a baixa temporada dos Estados Unidos é no inverno do Hemisfério Norte. Assim, em Nova York e os melhores meses, no que diz respeito a preços, são entre dezembro e março. Os hotéis ficam bem mais em conta. Mas é importante estar bem agasalhado: a "Grande Maçã" fica congelada. Para quem curte neve é grande a chance de ver o Central Park todo branco. Além disso, assim como Paris, a Quinta Avenida fica um espetáculo à parte por estar toda decorada para o Natal.
 

Já para ir à Disney, janeiro, setembro e dezembro são os meses mais vazios e portanto mais baratos. Vantagem adicional: os parques ficam tranquilos e pode-se repetir quantas vezes quiser os brinquedos, sem se preocupar com filas. Segundo os funcionários do parque, dezembro é o melhor mês, pelas decorações e a programação especial para o Natal.
 

Mas se o negócio for fugir dos preços altos sem ter de passar frio na empreitada, vá para o Caribe em maio. Além de estarem 50% mais baratos que nas altas temporadas, os resorts ainda oferecem praias vazias com uma temperatura extremamente agradável. Mais barato ainda é entre julho e novembro, mas é a temporada de furação na América Central, por isso é bom tomar cuidado.


Texto e Imagem: Terra Turismo

AVENTURE-SE!

Por:
Assessoria de Comunicação Guepardo
Fernanda Wieser – Estagiária de Relações Públicas
Fale Conosco: 0800.646.5687

Comente

13

10

As águas que correm pelo Jalapão se mostram de várias formas. Através de corredeiras, nascentes, rios, lagos e cachoeiras a região é cortada por águas puras, como o Rio Novo, um dos únicos rios de água potável do mundo. Seu principal passeio é descê-lo fazendo bóia-cross, canoagem ou rafting.

 

O percurso é tranquilo e fica mais emocionante quando atravessa alguma corredeira. As prainhas que se formam em sua margem e os bancos de areia servem como pausa para nadar e tomar sol. É possível fazer um longo percurso que dura até três dias, com paradas em campings na beira do rio, ou um mais curto de três horas.

A maior chachoeira do Jalapão, a Cachoeira da Velha, com 20 metros de largura poderia ser chamada de "Catarata do Rio Novo", mas seu nome veio da lenda de pescadores que viram a imagem de uma velha senhora moradora da região, em suas águas, após esta já ter morrido. A turbulência da água não permite que possa se banhar, mas abaixo de sua queda, há a Prainha da Velha, com águas claras e calmas, rodeada de verde.

 

Mais águas – A outra cachoeira da região fica a 50 km de Mateiros, a Cachoeira do Formiga. Em seu entorno há uma área para camping, mas a infraestrutura não é das melhores. O ideal é passar o dia se refrescando na queda d’agua que forma um poço de cor azul esverdeado com peixes e fundo de areia calcárea. Seu afluente é o córrego Carrapato, que tem sua nascente no Fervedouro.

Para chegar ao Fervedouro é preciso uma caminhada rápida de 300 metros saindo da estrada que liga Mateiros a São Felix do Tocantins. Cercado por bananeiras, a cor da água, um verde quase transparente, impressiona, mas o que mais surpreende é a sensação de flutuação. É impossível saber a profundidade do lago, pois ali ocorre o processo de ressurgência. A densidade da areia e a força da água não permitem que nenhum corpo afunde. Parece que água e areia massageiam, escorregando pelas pernas.

 

O Fervedouro do Soninho, de propriedade do acampamento Korubo, fica quase dentro de Mateiros. Também cercado por bananeiras, a sensação de flutuação não é tão forte quanto no primeiro fervedouro, mesmo assim vale a pena a visita. E já que está por ali, por que não fazer uma rápida visita à capital do Jalapão, Mateiros, para tomar um sorvete e também tentar, sem muito sucesso, se conectar ao resto do mundo em um dos seus orelhões públicos.

Texto e Imagens: Webventure

AVENTURE-SE!

Por:
Assessoria de Comunicação Guepardo
Fernanda Wieser – Estagiária de Relações Públicas
Fale Conosco: 0800.646.5687

 

1 Comente

17

09

A cada ano, Papai Noel prepara os brinquedos para distribuir mundo afora. E a cada ano um dos hot

1 Comente

Seguidores